Reino de Caissa

Tudo sobre xadrez

Author: admin

REINO DE CAISSA-Loja

https://reinodecaissa.com/loja-virtual-e-books-em-promocao2

XADREZ E PANDEMIA

Em meio à pandemia, Campeonato de Xadrez vai para 3ª rodada
A pandemia do novo coronavírus paralisou diversas competições. Não é o caso do Torneio de Candidatos de Xadrez



DIVULGAÇÃO/FIDE
Uma das orientações é que os jogadores não são obrigados a se cumprimentar antes e depois das partidas. – FOTO: DIVULGAÇÃO/FIDE
Várias disputas esportivas pararam pelo mundo por causa da pandemia do novo coronavírus, incluindo competições de e-sports. Não é o caso do xadrez. O Torneio de Candidatos da modalidade começou na terça-feira (17) e segue até o dia 3 de abril, na cidade russa de Ecaterimburgo, já do lado asiático do país, a mais de 1,7 mil km da capital Moscou. Para evitar a propagação de Covid-19, torcedores não terão acesso à arena de jogos.

Nesta quarta-feira (18), quatro jogadores tomaram a ponta da competição. Fabiano Caruana (EUA), Ian Nepomniachtchi (Rússia), Maxime Vachier-Lagrave (França) e Wang Hao (China) lideram, com a soma de 1.5/2, seguidos por Alexander Grischuk (Rússia), com 1 ponto. Anish Giri (Holanda) e Kirill Alekseenko (Rússia) têm meio ponto. O chinês Ding Liren (China), um dos favoritos, perdeu novamente.

A partida mais longa do dia foi entre Wang e Giri, com duração de quase seis horas. Já na quinta-feira (19), os confrontos definidos são entre Ding x Caruana; Giri x Vachier-Lagrave; Grischuk x Wang; e Alekseenko x Nepomniachtchi.

O vencedor desafiará o grande mestre de xadrez norueguês Magnus Carlsen, no Campeonato Mundial. Jogador a ser batido, ele lidera a classificação da Federação Internacional de Xadrez (FIDE), com 2.862 pontos, e é campeão desde 2013, com quatro títulos. O prêmio desta edição é de 500 mil euros, maior da história do torneio.

Ver imagem no Twitter
Além de não ter espectadores, a federação adotou outras medidas de segurança, como uma enfermaria para checar sintomas de Covid-19 em todas as pessoas presentes no auditório e sabão a base de álcool disponível durante toda a disputa. Máscaras N95 também serão distribuídas e, a depender da situação, visitantes serão obrigados a usar. Os apertos de mão entre os jogadores antes e depois dos jogos se tornaram opcionais.

“Gostaria de destacar que, em termos de segurança e medidas de saúde, o comitê organizador do torneio segue as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS), Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Rospotrebnadzor (órgão de supervisão da proteção dos direitos do consumidor e bem-estar humano na Rússia) e cumpre todos os requisitos”, disse o presidente da FIDE, Arkady Dvorkovich.

AS OBRAS DO AUTOR SÃO COMERCIALIZADAS NO SITE

https://clubedeautores.com.br/search?utf8=%E2%9C%93&where=books&what=danilo+soares+marques&sort=&topic_id=

NOTÍCIAS

NOTÍCIAS DO MUNDO DO XADREZ




O último grande clássico

Em setembro, o mundo reviu o maior combate da história do xadrez moderno: Karpov x Kasparov. Por trás da revanche entre o Maradona e o Pelé do tabuleiro, uma história de ofensas, quilos perdidos, colapsos, computadores, política e o fim de uma era…



Tabuleiro, peças brancas e pretas de madeira, dois oponentes de carne e osso. À antiga, o azerbaidjano Garry Kasparov e o russo Anatoli Karpov enfrentaram-se entre 21 e 25 de setembro, em Valência, na Espanha. A disputa comemorou o aniversário de 25 anos do duelo histórico entre os dois, últimos representantes humanos de grandes enxadristas, antes de programas como o Deep Blue ou Fritz derrotarem campeões nos anos 1990. Kasparov venceu por 9 a 3, provocando a mesma reação raivosa da época da Guerra Fria. “Como seres humanos, somos absolutamente distintos e opostos em qualquer assunto. Somos como Pelé e Maradona”, disse Karpov

Em 1984, na capital da então União Soviética, Kasparov, com 21 anos, disputou o título mundial com Karpov, detentor da honraria desde a década de 70. O jogo custou cinco meses, 8 quilos a Karpov, colapsos físicos e nervosos dos dois e acabou inconcluso. A direção do campeonato alegou perigo para a saúde física dos jogadores, mas os opositores do governo soviético viram na decisão um sinal de que Karpov, 33 anos e queridinho dos políticos, poderia perder. Kasparov, jovem e politicamente contrário ao regime soviético, representaria uma ameaça à estabilidade comunista. No ano seguinte, o duelo foi retomado, e Kasparov consagrou-se campeão mundial.

A rivalidade foi colocada à prova outras três vezes nesses 25 anos (duas derrotas de Karpov e um empate). Kasparov passou a desafiar computadores. Em 1996 venceu o Deep Blue, da IBM. Na época, previu que seria o último humano campeão de xadrez. Um ano depois, perdeu para um PC, em uma disputa polêmica. Alguns disseram que a máquina teve a mãozinha de um humano no final, outros, que é simplesmente muito desigual competir com um organismo que tem em sua base de dados mais de 700 mil jogos de grandes mestres. Mas o fato é que, desde a derrota, não surgiu nenhum outro grande enxadrista humano para roubar a fama de Karpov ou Kasparov.

Mundo de Caissa

Aqui você encontrará as últimas notícias do mundo do Xadrez

NOTÍCIAS

                                                  LIVROS IMPRESSOS DE ALTA QUALIDADE

O Lance que Fischer não fez

O Lance que Fischer não fez

Em 1961, Fischer, um astro em ascensão,  jogou um match contra o antigo menino prodígio e consagrado grande mestre norte-americano Samuel Reshevsky. Uma das armas do veterano era a variante acelerada da Defesa Siciliana Dragão contra a perene abertura do peão do rei de Fischer.

A sexta partida, desembocou na seguinte posição:

Fischer × Reshevsky (Los Angeles, 1961 – 6ª partida do match)
Posição pós 11.Bf6

Fischer optou pela pacífica linha 12. Dg4 d6 13 Dd1, que deixa as pretas em boa posição. A partida terminou com a divisão do ponto. Análises subsequentes acabaram por conferir a esta subvariante uma fama de “empatativa”, de modo que o próprio Fischer alterou seus planos para o mais sólido sistema Maroczy contra a Dragão.

No ano seguinte, a mais de 8000 km de distância, a posição acima se repetiu numa partida de um evento por equipes na URSS entre o Mestre Internacional Rashid Nezhmetdinov e o Grande Mestre Internacional Oleg Chernikov.

Talvez a partida de Fischer fosse conhecida de ambos os soviéticos, mas o fato é que Nezhmetdinov começou a pensar além do normal para uma posição com opções tão limitadas e com desfecho tão claro: o empate por repetição de lances (após 12. Dh6 Bg7 13. Dh4 Bf6 etc) ou pela linha escolhida por Fischer. Chernikov pôs-se a passear pelo salão, e chegou até mesmo a perguntar para Vladimir Voloshin, amigo de Nezhmetdinov: “Você sabe porque Rashid Gibyatovich está pensando tanto? É uma posição morta. Se ele queria evitar o empate, deveria ter pensado antes” Foi quando um garoto chegou até ele dizendo: “Senhor, ele acaba de sacrificar a dama!”.

Quando Chernikov voltou ao tabuleiro, estava jogado o fantástico lance que Fischer não fez: 12.D×f6!! Um dos sacrifícios intuitivos mais fantásticos da história do xadrez.

A partida seguiu com 12.… Ce2+ 13.C×e2 e×f6 14.Cc3 … O plano das brancas se baseia em explorar a grande diagonal a1h8 desguarnecida pelo bispo da Dragão que foi tomado pela dama, e trazer uma torre até f3. 14.… Te8 (muitos analistas indicaram que teria sido melhor continuar com 14.… d5, após o qual Nezhmetdinov teria jogado 15.Bd4! e usar plano similar ao da partida) 15.Cd5 Te6 16.Bd4 Rg7 17.Tad1 d6 18.Td3 Bd7 19.Tf3 Bb5 20.Bc3 Dd8 21.C×f6! mais uma vez um lance crucial na casa f6 ! 21.… Be2 22.C×h7+! Rg8 23.Th3 Te5 24.f4! 24.… B×f1 25.R×f1 Tc8 26.Bd4! O bispo vale muito mais que a torre inimiga! 26.… b5 27.Cg5 Tc7 … As brancas lançam mão de elegante combinação final para simplificar a posição com 28.B×f7+! T×f7 29.Th8+ R×h8 30.C×f7+ Rh7 31.C×d8 T×e4 32.Cc6 T×f4+ 33.Re2 Apesar de o final ainda demandar técnica por parte das brancas para ser vencido, Chernikov reconhecia que aquele era o dia de Nezhmetdinov, ou talvez ele só quisesse finalmente poder levantar-se a cadeira (1-0).

Um   milhão    de    dólares   para

quem    resolver   este   ‘simples’

enigma   de   xadrez

China    Vence     a  Online    Nations    Cup  da    FIDE    

MARATONA DE XADREZ

Queridos amigos do xadrez, 

A comunidade mundial está enfrentando uma crise sem precedentes com a pandemia de Coronavírus e espero sinceramente que minha carta o encontre de boa saúde e espírito. 

A FIDE, apoiando os esforços de todos os governos nacionais e pessoas de todo o mundo, decidiu promover uma iniciativa internacional on-line, a fim de proporcionar uma saída criativa para aqueles que precisam passar muitas horas em casa. Além disso, promovemos os ideais de unidade e solidariedade que devem se manifestar nesses tempos. 

Com o lema “Checkmate Coronavirus”, organizaremos pelo menos 1500 torneios online em todas as principais plataformas de xadrez, com centenas de milhares de participantes correndo por 30 dias e 720 horas sem parar. Planejamos lançar este projeto em 18 de maio. 

Os torneios são dirigidos a todos os jogadores de xadrez do mundo, independentemente da idade, país ou nível de jogo. Haverá muitos prêmios especiais, e todos eles serão distribuídos não entre aqueles que marcarem mais pontos, mas entre os vencedores do sorteio aleatório, dando assim uma chance de vitória a todos e recompensando em primeiro lugar o valor da participação. De acordo com esse “princípio olímpico”, o grande prêmio será o convite para a Olimpíada do Xadrez de 2021 em Moscou, por uma semana. 

Convido você a participar desta iniciativa mundial de duas maneiras: 

Permanecemos seguros, criativos e jogamos xadrez online. 

Xeque-mate Coronavírus! Gens una Sumus! 

Arkady Dvorkovich
Presidente da FIDE


Como fazer parte do “Checkmate Coronavirus? 

Diretrizes para federações e parceiros 

Como o Presidente da FIDE apontou em sua carta, a Federação Internacional de Xadrez encoraja fortemente as Federações Nacionais a: 

A) Ajude a divulgar as notícias sobre esta iniciativa, comunicando-se com os sócios e jogadores do clube. 

B) Envolvendo-se ativamente, organizando seus próprios torneios dentro da  estrutura do  Checkmate Coronavirus . 

Os participantes de torneios organizados por federações sob a   iniciativa Checkmate Coronavirus também serão elegíveis para os 1.500+ prêmios. 5% dos jogadores (e não menos que 3) receberão “bilhetes de rifa” qualificados para a entrega de prêmios, segunda fase do sorteio. 

Para participar, uma Federação deve: 

1) Informe a  equipe do  Checkmate Coronavirus em  info@checkmatecoronavirus.com  sobre sua intenção de organizar um torneio (ou uma série de torneios) dentro do   projeto Checkmate Coronavirus , com um período mínimo de 24 horas de antecedência 

As informações necessárias são:

– Nome da Federação
– Pessoa de contato
– Administrador do torneio
– Plataforma onde o torneio será realizado.
– Um cronograma completo do torneio (data, horário de início e horário de término)
– Controle de tempo do evento
– Link do torneio (se já tiver sido agendado)
– Notas adicionais Se a Federação quiser organizar mais de um torneio, Ele pode especificar adequadamente os detalhes e a programação de cada torneio. 

2) A Federação deve agendar o (s) torneio (s) e enviar os links com os resultados finais para a  equipe administrativa do  Checkmate Coronavirus , para o e-mail  info@checkmatecoronavirus.com . 

3) Envie um arquivo completo com o resultado, no formato .xls, incluindo as seguintes informações:
– Nome do torneio
– Controle de tempo
– Local
– Apelido
– Pontuação
– Número de jogos finalizados 

A equipe administrativa pode ajudar nessa tarefa, se solicitado. 

4) Respeite as regras descritas nos  regulamentos do  Checkmate Coronavirus . 

5) Inclua uma referência clara ao   projeto Checkmate Coronavirus em todos os materiais promocionais do torneio. * 

* (Lembre-se de que qualquer material – digital ou impresso – com o logotipo da FIDE deve ser enviado para  marketing@fide.com  para aprovação)


Mais Informações 

O Checkmate Coronavirus possui um site dedicado, onde você pode encontrar uma seção de “perguntas frequentes”:  www.checkmatecoronavirus.com/faq . 

Você também pode acompanhar atualizações regulares nas mídias sociais: 

Facebook –  www.facebook.com/checkmatecoronavirus 

Instagram –  www.instagram.com/checkmatecoronavirus 

Twitter –  www.twitter.com/CheckmateCOVID 

A hashtag oficial que usaremos é  #CheckmateCoronavirus Campeonato Mundial de Xadrez da Juventude 2020 adiado

Em resposta ao pedido da Federação Romena de Xadrez para adiar o Campeonato Mundial da Juventude de 2020, o Conselho de Administração da FIDE reunido às 12:00 UTC da sexta-feira, 22 de maio de 2020, tomou sua decisão:

“CONSIDERANDO QUE o Conselho de Administração da FIDE recebeu e examinou devidamente um pedido dos organizadores do Campeonato Mundial de Xadrez da Juventude 2020; e 
Considerando que ainda existe um grande grau de incerteza no mundo devido ao COVID-19 pandemia;

AGORA, ASSIM, SEJA RESOLVIDO:

1. Adiar o Campeonato Mundial de Xadrez da Juventude 2020, programado para setembro de 2020 para uma data posterior.

2. Determinar as novas datas do Campeonato Mundial de Xadrez da Juventude 2020, em coordenação com os organizadores, levando em consideração a situação epidemiológica.

3. Anunciar as novas datas o mais tardar quatro (4) meses antes do início do evento. “

Reunião Comissão de Educação da FIDE e da FIDE America

 Comunicados

Comunicado CBX nº 36/2020: Gabriela Goes da Cunha (SP) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 35/2020: Teodora Ribeiro Parreira (SP) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 34/2020: Sabrina Camargo Viertler (SP) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 33/2020: Catarina Barberi (SP) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 32/2020: Nelson Fernando Araujo Gomes e Sousa (CE) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 31/2020: Julio Cesar Colivet Gamboa (GO) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 30/2020: Marcos Guilherme Monteiro Jorge (CE) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 29/2020: Julia Marzanatti Gattamorta (GO) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 28/2020: Marcos Alves Lopes (GO) novo Mestre Nacional
Comunicado CBX nº 27/2020: Christian Georges Avgoustopoulos (RJ) novo Mestre Nacional

ver todos

 CBX News

I Campeonato Brasileiro de Xadrez Online por Equipes.2020
Arbitros Licenciados BRA mar/2020
Regulamento Geral para Competições (GR)
Árbitros Licenciados pelo BRA/mai/2019
Resultado final do FENAJ 2019
Resultado Final do Festival Nacional da Criança (FENAC 2019)
Árbitros Licenciados pelo BRA/ABR/2019
Árbitros Licenciados pelo BRA/mar/2019
Resultados do Campeonato Brasileiro Juvenil sub 20
Resultado Final dos JUBs 2018 – Vitória/ES – 06 a 09/06/2018
Resultado Final do Festival Nacional da Criança (FENAC 2018)
Resultado final do FENAJ 2018
Árbitros Licenciados pelo BRA/out/2018

ver todos

Assim funciona o cérebro do melhor jogador do mundo de xadrez às cegas

O uzbeque Gareyev explica como jogou 48 partidas ao mesmo tempo sem ver os tabuleiros e bateu o recorde mundial

LEONTXO GARCÍA17 MAR 2017 – 11:23 BRT

xadrez às cegas, memorizando a posição das peças, é uma das provas mais surpreendentes da capacidade da mente. O norte-americano de origem uzbeque Timur Gareyev, de 29 anos, bateu o recorde mundial de partidas simultâneas sem ver o tabuleiro no dia 4 de dezembro: disputou 48 em 18,5 horas, alcançando mais de 80% da pontuação. Agora, cem dias depois, sabemos como ele fez isso e por que sua mente é extraordinária.

Timur Gareyev pedala numa bicicleta estática durante seu recorde mundial de partidas simultâneas de xadrez às cegas.
Timur Gareyev pedala numa bicicleta estática durante seu recorde mundial de partidas simultâneas de xadrez às cegas.LENNART OOTES

Um ano antes da proeza, Gareyev prestou-se a que seu cérebro – dividido em 200 áreas – fosse analisado profundamente pela equipe do doutor Jesse Rissman, diretor do Laboratório de Memória da Universidade de Los Angeles (UCLA). Esses exames são parte de um estudo muito mais amplo que ainda não foi publicado, mas Rissman revelou alguns resultados. A conclusão mais surpreendente para nós, que falamos há anos do xadrez às cegas, é que a memória fotográfica de Gareyev não é extraordinária: “Não encontramos nada de excepcional nos testes convencionais aos quais Gareyev foi submetido no que se refere à capacidade de memorizar números, fotos ou palavras numa determinada ordem”, diz Rissman, que, no entanto, ficou “muito surpreso com o número de partidas que ele pode manter ativas simultaneamente na memória”.

Então, onde está a chave? Está no fato de que várias partes do cérebro de Gareyev, especialmente na área frontoparietal, estão muito mais bem conectadas do que na grande maioria das pessoas, como mostra o scanner feito na UCLA. “Usamos essa rede de conexões em quase todas as tarefas complexas. Ela nos ajuda a concentrar a atenção, lembrar instruções ou regras e decidir se respondemos ou não a uma pergunta ou estímulo”, explica Rissman. Além disso, os especialistas da UCLA descobriram que a visão espacial de Gareyev é excepcionalmente desenvolvida, porque a parte do cérebro que a controla tem muitas conexões com outras.
Uma imagem do cérebro de GaréyevJESSE RISSMAN (UCLA)

O conceituado pesquisador espanhol Fernando Maestú, diretor do Laboratório de Neurociência Cognitiva e Computacional do Centro de Tecnologia Biomédica de Madri, também está impressionado com a façanha de Gareyev: “Não é exagero dizer que está perto dos limites humanos. Reter e lidar com uma quantidade enorme de informações durante quase 19 horas consecutivas com resultados tão bons não tem precedentes, que eu saiba, em outras áreas da atividade intelectual. É algo realmente muito extraordinário”.

Depois de tomar conhecimento da prévia dos resultados do estudo de Rissman, Maestú deduz: “Gareyev deve ter um desenvolvimento excepcional do que chamamos de agenda visuo-espacial da memória operativa, aquela que nos ajuda a lembrar de informações durante curtos períodos de tempo, não durante meses ou anos. Essa função depende dos lóbulos central e parietal, que estão alojados no lado direito do cérebro. Em outras palavras, o que é surpreendente nesse caso não é o fato de ele se lembrar muito, mas o de lidar com o que se lembra de maneira notável, muito melhor do que o habitual”.
O estudo do cérebro de Gareyev mostrou conexões extraordinárias entre diferentes partes.JESSE RISSMAN (UCLA)

Essa extraordinária capacidade se deve aos genes ou ao treinamento? “A resposta a essa pergunta é quase sempre mista. Qualquer um pode atingir um domínio muito avançado da técnica para tocar piano, mas só isso não basta para que consiga tocar tão bem quanto outra pessoa com um talento inato para tocar piano, que também trabalhou intensamente a técnica”, enfatiza Maestú.

O treinamento de Gareyev foi muito exaustivo nos últimos anos. Não tanto na parte técnica do xadrez (ele detém o título de grande mestre desde 2004 e foi terceiro colocado no Campeonato dos EUA de 2013), mas no fortalecimento da memória e, principalmente, na resistência física: correu maratonas, participou de corridas de moto de uma semana, faz ioga todos os dias e tem uma alimentação vegana. Durante as 18,5 horas do recorde mundial, em 4 de dezembro em Los Angeles, ele pedalou cerca de 80 quilômetros numa bicicleta estática, bebeu chocolate (queria evitar café e bebidas energéticas) e suco de maçã, e comeu pequenas quantidades melancia marinada em limão, abacate, óleo de coco, folhas verdes e pimentas picantes.
O mapa do cérebro de Gareyev mostra suas numerosas conexões.JESSE RISSMAN (UCLA)

Nas exibições de simultâneas às cegas, Gareyev procura associar cada partida com uma sala de um grande palácio imaginário. Também as associa a determinados números; por exemplo, as partidas em que há muito ataque são agrupadas sob o número nove, porque é o do centroavante no futebol. Segundo conta num artigo publicado no último número da revista New in Chess, ele deu muita importância a encontrar e conversar na véspera com os adversários do dia seguinte: “Assim, quando eles anunciavam sua jogada, eu lembrava como eram fisicamente associava a voz e a imagem com a posição desse tabuleiro”.

Rafael Andarias é enxadrista e médico do serviço de emergência de Denia (Alicante); foi o primeiro responsável pelo controle antidoping da Federação Espanhola de Xadrez. Ele vê muita lógica nos métodos e na alimentação de Gareyev: “De fato, eu aplico minha maneira de pensar como enxadrista ao meu trabalho no pronto-socorro. Se num dado momento estou atendendo doze pacientes ao mesmo tempo, eu os distribuo mentalmente como se fossem doze partidas simultâneas e assim vou decidindo se dou alta para um, ou ele continua em observação, ou precisa ser operado ou deve fazer mais exames. Gareyev leva essa organização mental ao limite, ao máximo, e, além disso, às cegas”.
Gareyev, no Laboratório de Memória da UCLA, durante o estudo do seu cérebro.JESSE RISSMAN (UCLA)

O que o norte-americano comeu e bebeu durante a proeza é algo muito pensado: “Numa situação assim, é fundamental que a digestão seja muito leve. Café e bebidas energéticas seriam contraproducentes, pois seu efeito é demasiado rápido e também excitam muito, excessivamente para o que ele necessitava; pelo contrário, o chocolate líquido contém substâncias similares à cafeína, mas de efeito mais suave e prolongado. Os carboidratos do suco de maçã proporcionam energia de rápida absorção, equilibrados com a grande quantidade de água que a melancia possui, de efeito mais duradouro”.

O desempenho do cérebro depende muito da boa circulação sanguínea e da capacidade pulmonar. “Portanto, o treinamento de Gareyev em maratonas faz muito sentido. E a bicicleta estática durante a exibição também, porque assim ele evitou que seu corpo se entorpecesse; pela mesma razão que nos voos de longo curso é preciso movimentar pés e pernas para evitar a trombose”, acrescenta Andarias. E conclui: “Esse caso é um exemplo extremo para demonstrar que a boa preparação física é essencial para o alto rendimento no xadrez e, por extensão, em qualquer atividade intelectual. Por exemplo, na minha profissão surgiu um debate sobre se os nossos plantões na emergência devem durar 24 horas seguidas, por causa da grande resistência física que isso exige e dos riscos de perda de atenção e erros não forçados”.
Gareyev, durante o encontro com seus adversários na véspera da exibição do recorde mundial.JESSE RISSMAN (UCLA)

Além dos pequenos períodos de descanso de dez minutos para ir ao banheiro e esticar as pernas, Gareyev experimentou duas interrupções mais longas, inesperadas e incômodas. A primeira porque o alarme de fumaça disparou, pois os organizadores estavam preparando salsichas para os participantes. A segunda porque um dos seus adversários suspeitou que o dispositivo colocado em um ouvido de Gareyev poderia ser usado para trapacear (que alguém, usando poderosos programas de xadrez, estivesse soprando ao norte-americano suas melhores jogadas em cada partida). Foi necessário provar ao desconfiado que o dispositivo estava conectado ao microfone sem fio para anunciar as jogadas.

Em ambos os casos, Gareyev conseguiu manter a concentração e a memória, graças às técnicas de yoga. E assim conseguiu o resultado impressionante de 35 vitórias, 7 empates e apenas 6 derrotas. Quando terminou, estava bastante desorientado e cansado, mas agora já está bem, disposto a bater novamente o recorde mundial assim que tiver um patrocinador. Ele acredita ser capaz de subir para 55 partidas, o equivalente a memorizar a situação de 1.760 peças durante mais de 20 horas seguidas.

No xadrez também pode haver doping

Estudo científico dá resultados positivos pela primeira vez com modafinil e metilfenidato

Comercializado como Ritalina, o metilfenidato aparece na lista de substâncias proibidas.
Comercializado como Ritalina, o metilfenidato aparece na lista de substâncias proibidas.

Nunca esquecerei o primeiro controle antidoping do xadrez na Espanha. Foi no campeonato nacional de 1999, em Cala Galdana (Menorca). Como a maioria dos enxadristas urina muito durante as partidas de alta competição, pela tensão nervosa, quase todos os escolhidos por sorteio para o controle tiveram dificuldade para fornecer a amostra no fim da jornada. E assim se chegou à cena surrealista de uma fila de jogadores no balcão do bar, esperando serem servidos de uma generosa caneca de cerveja para aproveitar seus efeitos diuréticos.

Desde então não se conhece um único caso positivo entre os jogadores de elite, embora alguns tenham sido punidos por haver se recusado a se submeter ao exame como forma de protesto. Os enxadristas encaram essa formalidade como uma chateação inútil. E com bons motivos: os médicos consultados por este jornal em várias reportagens sempre concordavam: existem substâncias, como anfetaminas ou betabloqueadores, que podem melhorar o desempenho de um jogador de xadrez em momentos específicos, mas, além de seus efeitos colaterais perigosos, é provável que sejam contraproducentes. Por exemplo, um betabloqueador pode ajudar um enxadrista muito nervoso a se planejar melhor nas primeiras horas de uma partida decisiva. Mas se esse mesmo jogador tiver pouco tempo, o betabloqueador vai colocá-lo em apuros quando precisar de sua capacidade de reflexos a 100% para realizar, por exemplo, seis boas jogadas em um minuto. E vice-versa em relação às anfetaminas.

Mas era de se esperar que os importantes avanços no conhecimento do cérebro e na tecnologia aplicada acabassem encontrando substâncias específicas para melhorar o desempenho dos enxadristas. De fato, um documento da FIDE de 2013 já alertava para a possibilidade de usar modafinil ou metilfenidato em suas diferentes apresentações comerciais e advertia que ambas estão incluídas na lista de substâncias proibidas pelo COI. As duas são empregadas como medicamentos para outros usos: o modafinil para as pessoas que trabalham em turnos de dia e noite alternadamente e têm problemas para dormir, por exemplo; e o metilfenidato para a TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade).

O estudo que motivou este artigo, dos doutores Franke, Andreas, Lieb e outros, consistiu em que 39 enxadristas jogassem 20 partidas semirrápidas (15 minutos de cada lado para toda a partida) contra programas de computador. Divididos em quatro grupos, tomaram modafinil, metilfenidato, cafeína ou um placebo. A melhora nos resultados com as três primeiras substâncias foi de 15, 13 e 9%, respectivamente.

A doutora Jana Bellin, presidenta da Comissão Médica da FIDE.
A doutora Jana Bellin, presidenta da Comissão Médica da FIDE.LEONTXO GARCÍA

Os autores do estudo advertem que é preciso fazer outros estudos para confirmar ou não esses resultados. E especulam que o efeito pode ser ainda mais positivo em jogos lentos, de quatro ou cinco horas. No entanto, o doutor Klaus Lieb, catedrático de psiquiatria e psicoterapia da Universidade de Mainz (Alemanha), adverte: “Essas substâncias podem causar efeitos colaterais graves, além de criar dependência”. No referido documento da FIDE, a doutora Jana Bellin, presidenta da Comissão Médica da entidade, adverte que o metilfenidato (comercializado como Adderall ou Ritalina) “tem estrutura e farmacologia semelhantes à da cocaína”. E a Fundação para um Mundo sem Drogas diz que a Ritalina pode causar “nervosismo, insônia, anorexia, perda de apetite, alterações no pulso, problemas cardíacos e perda de peso”.

Jesús Gandara, chefe de serviço do Hospital Universitário de Burgos, é um dos mais prestigiados psiquiatras espanhóis, que consultei para uma reportagem sobre esse assunto em setembro. Agora ele apresenta nuances importantes: “Em primeiro lugar, deve-se ter em conta que essas substâncias não melhoram o desempenho cognitivo, não nos tornam mais inteligentes. Elas fazem com que nos sintamos mais acordados, aguentemos melhor a fadiga ou nos concentremos melhor. Mas também devemos ter em mente que os efeitos não são os mesmos em todas as pessoas; as reações podem ser muito diferentes de uma para outra”.

O doutor Jesús de la Gándara.
O doutor Jesús de la Gándara.RTVE

Deixando de lado que essas substâncias fazem parte da lista de proibidas pelo COI, o senhor recomendaria sua utilização? “Só em circunstâncias muito específicas e para um uso muito limitado, depois de estudar seriamente o perfil do paciente. Devemos levar em consideração que podem produzir ansiedade e dependência, entre outros efeitos colaterais. Em nenhum caso recomendaria o consumo frequente”.

Embora as conclusões científicas sejam provisórias, a dedução principal que se pode fazer é que falar sobre doping no xadrez não é tão absurdo como pensávamos até agora. O doutor Lieb é taxativo: “Recomendamos que os controles antidoping nos torneios de xadrez sejam rigorosos”.

AS OBRAS DO AUTOR SÃO COMERCIALIZADAS NO SITE www.clubedeautores.com.brhttps://clubedeautores.com.br/

© 2020 Reino de Caissa

Theme by Anders NorenUp ↑